Busca

veterinaria-olhando-o-olho-do-cachorro

Os serviços de compra coletiva conquistaram milhões de consumidores nos últimos anos, oferecendo uma grande variedade de produtos e serviços. No entanto, no que diz respeito à venda de serviços médico-veterinários, isso pode se configurar uma grave infração.

De acordo com o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), esse tipo de oferta configura infração ética sujeita a advertência e até mesmo cassação do registro profissional daqueles que oferecem o serviço em sites de compra coletiva.

Para o presidente do conselho, Benedito Fortes, a venda de consultas veterinárias a preços baixos nesses meios é antiética e provoca uma concorrência desleal, além de banalizar o serviço médico-veterinário. "Não se pode oferecer serviços médicos como se fosse comércio. É como vender uma prescrição médica. Não se pode avaliar virtualmente um paciente, sem saber o histórico de saúde do animal e com que tipos de animais ele convive", opina.

A saúde animal, aliás, não tem sido o único alvo de preocupações por parte dos conselhos federais. Recentemente, o Conselho Regional de Odontologia de Santa Catarina ingressou com uma ação pública para impedir que abusos e irregularidades fossem cometidos na oferta de consultas odontológicas em sites de compras coletivas.

Quem também se manifestou contrário à venda de serviços nesses meios foi o Conselho Federal de Medicina (CFM), que proíbe essa prática na justificativa de que a venda é ilegal e descumpre o que é estabelecido pela legislação de Defesa do Consumidor.

"Recentemente tive conhecimento de um caso em São Paulo, onde era ofertada uma consulta. Percebi no site falhas na divulgação do serviço, como a ausência do número do registro do médico, que faria a consulta, no Conselho Regional de Medicina", afirmou José Vinagre, um dos corregedores do conselho.

Segundo o Conselho Federal de Medicina Veterinária, ainda não há um levantamento nacional de profissionais que tenham sido denunciados, investigados ou punidos por praticarem a oferta antiética de serviços em sites de compras coletivas. Para o órgão, cabe aos conselhos regionais, em primeira instância, avaliar as denúncias e aplicar as devidas penalidades.

O Procon de São Paulo afirma também que não é permitido esse tipo de oferta, pois há um descumprimento do Artigo 39 do Código de Defesa do Consumidor, que trata de práticas abusivas. De acordo com o órgão, as empresas que o fazem descumprem os códigos de ética profissionais e estão sujeitas a serem autuadas, com multa prevista entre R$ 450 e R$ 6,5 mil.

 

 

Fonte: Agência Brasil


blog comments powered by Disqus

Mais acessadas do mês

Filhote do mês

Prev Next
Mel
Ted
Phiona

Quer ver seu pet aqui? envie uma foto com a historia dele para filhotedomes@idmed.com.br




Receba nossas notícias

Nome
Email


Quem somos|Publicidade|Fale Conosco