Busca

Doença periodontaldoença periodontalO que é doença periodontal?

A doença periodontal é uma afecção que acomete o periodonto (a gengiva e os tecidos de sustentação dos dentes). É provocada pela presença da placa bacteriana e tem caráter progressivo, ou seja, se não tratada, a doença não regride. Pode ter períodos de atividade e inatividade, apresentando sintomas mais evidentes e agudos quando há queda no sistema imunológico.

 

É uma doença comum?

É, sim, uma doença muito comum, e em cães e gatos é a doença mais comum de todas, não apenas da boca, mas de todas as doenças que existem em cães e gatos. A doença periodontal é a que apresenta maior prevalência.

 

Atinge cães e gatos de todas as raças e idades?

Pode atingir paciente de qualquer idade, mas quanto mais velho o paciente, mais chances tem de apresentar a doença.

 

O que ela pode causar à saúde do animal?

Além dos danos na cavidade oral, tais como: inflamação da gengiva, perda dos tecidos de sustentação dos dentes, perda dos dentes, mau hálito, pode também causar distúrbios sistêmicos. Endocardite bacteriana, alterações em fígado, rins, articulações, meninges, pulmões... pelo efeito sistêmico, bactérias da placa bacteriana, bem como seus subprodutos e toxinas, podem ganhar a corrente sanguínea e atingir o organismo como um todo.

 

O animal sente algum desconforto ou dor?

A doença periodontal, de um modo geral, não costuma causar dor, exceto em casos mais graves. Pode gerar desconforto ao paciente quando está num estágio avançado, onde a inflamação na gengiva é acentuada, ou mesmo quando os dentes perdem sustentação e ficam com mobilidade. Pode haver dificuldade em mastigar os alimentos e eventualmente ter sangramento oral.

 

Como ela se desenvolve?

As bactérias que fazem parte da microbiota oral normal precisam de um curto espaço de tempo (entre 24 e 48 horas) para se desenvolver. Nesse período, as bactérias se organizam e formam a placa bacteriana. Se não houver higienização nesse período (que infelizmente ainda não é tão comum em cães e gatos), a placa bacteriana adere principalmente aos dentes e se inicia uma série de eventos que culminam com a instalação da doença periodontal.

O contato íntimo entre a placa bacteriana e a gengiva induz o organismo a produzir mecanismos de defesa local, enviando células inflamatórias para a região da gengiva. Tem início a gengivite. Caso a gengivite não seja tratada, haverá uma evolução do processo que vai levar à periodontite, que é a inflamação dos tecidos que sustentam os dentes na boca. Daí em diante, os tecidos do periodonto sofrem uma reabsorção e por fim o dente perde sustentação e acaba por fim se perdendo. As bactérias da placa também são responsáveis pelo mau hálito, liberando gases sulfurosos voláteis.

 

Se não tratada, o que pode acontecer?

Se não tratada, pode haver desde uma simples gengivite, halitose, perda dos dentes e eventualmente distúrbios sistêmicos.

 

Como ela é diagnosticada?

Os primeiros sinais de que há algo errado na boca são o surgimento do mau hálito e a gengiva inflamada. Esse seria o momento ideal de intervir para evitar o avanço da doença. Logo em seguida vem o surgimento do tártaro, que nada mais é que a placa bacteriana mineralizada. Portanto: mau hálito, gengiva inflamada e tártaro não são normais em cães e gatos, apesar de muitos ainda acreditarem que isso é normal em animais de estimação.

 

Há alguma forma de prevenir?

A melhor forma de prevenir a doença periodontal é através da escovação dentária. O simples ato de escovar os dentes promove a desestabilização da placa bacteriana, que evita o seu desenvolvimento e consequências. Alguns artifícios são usados como coadjuvantes na prevenção, como alguns tipos de alimentos com enzimas ou mesmo formato especial dos grãos, ossinhos, courinhos para mastigar, alguns brinquedos específicos que ajudam a raspar a superfície dos dentes. Mas é importante salientar que nada substitui a escovação como a melhor maneira de prevenir a doença periodontal.

 

Como a doença periodontal é tratada?

A doença periodontal só é possível ser tratada cirurgicamente. Não existe tratamento medicamentoso ou caseiro que trate a doença. O procedimento é realizado por médico-veterinário especializado. Sempre sob anestesia geral, o paciente é submetido à raspagem da superfície dos dentes, raspagem das raízes expostas, quando houver, polimento dos dentes e eventualmente extração nos casos em que a doença periodontal comprometeu os tecidos de sustentação dos mesmos.

Apesar do receio por parte dos proprietários, principalmente por conta da anestesia geral, hoje em dia os protocolos anestésicos estão muito seguros para a quase totalidade dos pacientes. O tratamento feito em ambiente cirúrgico, com todos os recursos para conferir segurança e conforto ao paciente, leva cerca de 50 a 60 minutos, podendo chegar a duas horas dependendo da gravidade da doença. O paciente recebe alta no mesmo dia e já pode voltar para sua rotina normalmente, inclusive podendo se alimentar sem alterações na dieta.

 

 

Dr. Alexandre Venceslau é médico-veterinário formado pela USP. É também membro do Conselho Consultivo da Associação Brasileira de Odontologia Veterinária, sócio-fundador da Associação Brasileira de Odontologia Veterinária e ministra aulas e palestras sobre odontologia veterinária por todo o Brasil. CRMV - SP 13557 www.vetdent.com.br


blog comments powered by Disqus

Mais acessadas do mês

Filhote do mês

Prev Next
Mel
Ted
Phiona

Quer ver seu pet aqui? envie uma foto com a historia dele para filhotedomes@idmed.com.br




Receba nossas notícias

Nome
Email


Quem somos|Publicidade|Fale Conosco