cachorro comendo peixecachorro comendo peixe

Cachorro pode comer peixe? Descubra os segredos dos especialistas.

Peixes são alimentos altamente benéficos para a saúde dos cães, pois são ricos em ômega-3 e outras substâncias importantes.

No entanto, é importante tomarmos alguns cuidados na hora de oferecê-los aos nossos pets. Aqui, discutimos os tipos de peixes que podem ser dados aos cachorros, a forma correta de prepará-los e a quantidade recomendada.

Além disso, explicamos os benefícios nutricionais do peixe na dieta canina, bem como os riscos de contaminação, engasgo e excesso de consumo. Leia o artigo para descobrir mais sobre os segredos dos especialistas em nutrição canina!

O que deve ser levado em conta antes de oferecer peixe para o cachorro

Escolha a variedade certa de peixe:

Nem todas as variedades de peixe são boas para a dieta canina, algumas podem ser tóxicas, fazer mal à saúde ou conter espinhas que podem ferir o cachorro. Por isso, é importante escolher as variedades de peixe mais seguras.

cachorro comendo peixe
cachorro comendo peixe

As melhores opções são salmão, tilápia, sardinha e atum. Antes de oferecer o peixe, verifique se ele não tem espinhas ou partes que podem torná-lo inadequado para consumo.

Preparo adequado do peixe:

Preparar o peixe corretamente é tão importante quanto escolher a variedade correta. Evite oferecer o peixe cru e somente oferte o peixe bem cozido, para evitar contaminações por bactérias.

Os peixes de água salgada precisam ser congelados por 4 dias antes do cozimento, e os cefalópodes (polvo e lula) a -14°C ou mais. O armazenamento do peixe deve ser feito respeitando as temperaturas adequadas para evitar a proliferação de bactérias.

Quantidade recomendada de peixe a ser oferecida ao cão:

Assim como todos os alimentos que os dogs podem comer, a quantidade recomendada de peixe a ser oferecida depende das necessidades nutricionais individuais do animal. Por isso, é importante consultar um médico-veterinário para orientação sobre a quantidade que deve ser oferecida e garantir que o cão receba uma dieta equilibrada.

Benefícios nutricionais do peixe para cachorros

Importância do ômega 3 no organismo do cão: O peixe é uma excelente fonte de ômega 3, um ácido graxo essencial que o organismo dos cães não consegue produzir sozinho e que desempenha diversas funções vitais, como modulação inflamatória, função na barreira cutânea e auxílio no sistema nervoso central.

Além do ômega 3, o peixe contém vitaminas A, E, D e do complexo B, proteínas, iodo, fósforo e cálcio, que fortalecem os ossos e dentes dos cães. O peixe é considerado uma excelente fonte de proteína, pois contém quatro vezes mais cálcio do que outros tipos de carne.

Quem tem cachorro sabe que eles adoram um petisco! E quem aí nunca se pegou pensando se pode ou não oferecer determinado alimento para seu companheiro de quatro patas?

Uma dúvida comum é: cachorro pode comer peixe? A resposta é sim! O peixe é uma ótima fonte de ômega 3, presente em grande quantidade no salmão. Esse nutriente desempenha diversas funções no organismo dos cães, como a modulação inflamatória, função na barreira cutânea, armazenamento de gordura e auxílio ao sistema nervoso central.

Além disso, o peixe oferece outras vitaminas importantes para a saúde do pet, como A, E, D e do complexo B. É importante ressaltar que o peixe deve ser oferecido aos cães em pequenas quantidades. Recomenda-se conversar com um médico veterinário para saber qual a quantidade adequada para o seu pet. O excesso na alimentação pode causar desequilíbrios nutricionais e, em casos graves, levar à obesidade.

cachorro comendo pipoca
cachorro comendo pipoca

Deve-se escolher a variedade de peixe correta para que o pet possa ingerir sem riscos à saúde, desde que armazenada e preparada corretamente. A merluza, a tilápia, a sardinha e o atum são algumas opções práticas e acessíveis, mas é importante lembrar que o peixe não deve conter espinhos ou estruturas que possam provocar engasgos.

O peixe pode ser oferecido tanto para animais em dietas caseiras quanto para aqueles que consomem ração. Para se obter a melhor combinação de nutrientes, é importante escolher uma ração de qualidade que já contenha o peixe em sua composição.

O preparo adequado do peixe é essencial para garantir a saúde do seu cão. O peixe pode ser servido cozido, temperado com um pouco de alho, salsinha ou coentro, tomates e azeite extravirgem ou cru. No entanto, é importante ter cuidado especial com a contaminação por bactérias e parasitas. Deve-se deixar, por exemplo, os peixes de água salgada congelados por, pelo menos, 4 dias e os peixes de água doce congelados por 7 dias a -20°C.

O peixe é uma ótima opção para enriquecer a dieta do seu cachorro. Lembrando que a orientação de um médico veterinário é fundamental para garantir a oferta adequada do alimento, considerando as necessidades nutricionais de cada animal.

O que pode dar errado se o peixe for oferecido incorretamente

Contaminação por bactérias e parasitas:

A contaminação por bactérias e parasitas é uma preocupação quando se trata de oferecer peixe aos cães. Por esse motivo, o peixe deve ser armazenado corretamente e cozido à temperatura adequada para evitar contaminações. Algumas espécies de peixes, como o salmão, podem conter parasitas e, por isso, o congelamento é importante antes do cozimento.

Ossos e espinhas no peixe que podem ferir o cão:

O peixe pode conter ossos e espinhas, o que pode representar um risco para a saúde do seu cão. Por isso, é importante remover todas as espinhas antes de oferecer o peixe para o cachorro.

cachorro comendo mel
cachorro comendo mel

Excesso de peixe na dieta do cachorro:

O excesso de peixe na dieta do cão pode causar problemas, como diarreia e desequilíbrios nutricionais. É importante sempre seguir as recomendações do médico-veterinário quanto à quantidade que deve ser oferecida e manter uma dieta completa e equilibrada.

A decisão de oferecer peixe para o seu cachorro pode trazer muitos benefícios nutricionais, mas é importante lembrar que não deve ser negligenciada a necessidade de um preparo adequado desse alimento. Caso contrário, há risco de contaminação por bactérias e parasitas que podem prejudicar a saúde do seu animal de estimação.

Além disso, a ingestão de ossos ou espinhas pode gerar acidentes e machucados. Por fim, é importante monitorar a quantidade oferecida, pois o excesso no consumo pode acarretar em problemas de saúde.

A contaminação por bactérias e parasitas é um risco presente em qualquer alimento que não seja preparado ou armazenado corretamente. No caso do peixe, isso fica ainda mais evidente devido a sua grande sensibilidade a altas temperaturas e a falta de conservantes, além de possuir uma superfície rica em nutrientes que propicia a proliferação de bactérias.

Por esse motivo, é extremamente importante que o peixe seja armazenado em temperaturas baixas, seja cozido ou cru. É preciso ter muita atenção nas feiras e mercados que comercializam peixes, pois muitas vezes não há uma temperatura adequada de armazenamento nesses locais. Além disso, é preciso ter cuidado com os parasitas presentes nos peixes de água salgada, que podem resistir em temperaturas negativas: recomenda-se manter o peixe congelado por pelo menos quatro dias. No caso dos peixes de água doce, os parasitas são mais resistentes e, por isso, o congelamento indicado é de no mínimo sete dias a -20°C.

Outro ponto que merece atenção é a presença de ossos e espinhas, que podem ser extremamente perigosos para o seu cachorro. Dependendo do tamanho e da espessura, essas estruturas podem se alojar na garganta do animal, causando um quadro de engasgo. Até mesmo em casos onde o animal engole a espinha por engano, pode-se gerar inflamações, ferimentos e obstruções no trato digestivo.

Por fim, é importante observar a quantidade de peixe oferecido ao cachorro. Não é recomendado que o peixe seja utilizado como fonte exclusiva de proteína na dieta canina, pois isso pode gerar desequilíbrios nutricionais e carências de outras substâncias importantes para o organismo do animal.

O ideal é que o peixe seja oferecido junto com outros tipos de carnes, verduras e legumes, para que se crie uma dieta equilibrada e completa.

cachorro comendo manga
cachorro comendo manga

Em resumo, é possível afirmar que o consumo de peixe pode ser seguro para o seu cachorro, desde que seja ofertado de maneira responsável e consciente.

É fundamental ter em mente todas as considerações apresentadas: escolher um peixe fresco e saudável, armazená-lo corretamente, retirar as partes que possuam espinhas, não exagerar na quantidade oferecida e sempre buscar orientação de um veterinário nutricionista. Ao seguir essas orientações, é possível tornar o peixe uma opção saudável e saborosa para o seu pet.

Conclusão

Finalmente, podemos afirmar que o peixe é um alimento muito recomendado para a dieta dos cachorros, trazendo muitos benefícios nutricionais.

No entanto, é preciso ter alguns cuidados ao oferecê-lo, como escolher a variedade correta, prepará-lo adequadamente e respeitar a quantidade indicada pelo veterinário.

Além disso, evite oferecer peixe com ossos e espinhas que possam ferir o animal, armazená-lo incorretamente ou oferecer somente esse alimento em excesso.

Tais cuidados evitam problemas como a contaminação por bactérias e parasitas. Portanto, se você deseja incluir o peixe na dieta do seu pet, consulte o veterinário para que ele possa elaborar um plano alimentar adequado para o seu cão.

Com esses cuidados simples, seu pet poderá desfrutar dos benefícios nutricionais que o peixe pode oferecer ao mesmo tempo em que se mantém saudável e feliz.

By Prof.ª Dr.ª Kelly Cristine de Sousa Pontes

Pós-doutora em Medicina, na área de Oftalmologia e Oncologia, pela Leiden University – Holanda e Doutora em Cirúrgicas e Anestésicas Aplicadas aos Animais, pela Universidade Federal de Viçosa

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *