cachorro curiosocachorro curioso

Você Acredita em Algum desses 9 Mitos sobre Cachorros?

Ah, os cachorros! Quem consegue resistir a esses peludos cheios de energia e amor? E é exatamente por serem tão amados que muitos mitos e informações errôneas circulam sobre eles.

Então, vamos desvendar essas histórias e descobrir quais são reais e quais são apenas lendas urbanas. Preparado para desfazer alguns conceitos equivocados sobre o melhor amigo do homem? Então vem comigo que eu vou te mostrar se você realmente acredita em algum desses 9 mitos sobre cachorros!

Mito 1: Cachorros enxergam em preto e branco

Cachorros enxergam em preto e branco

Ah, o mito mais clássico de todos: acreditar que os cachorros enxergam apenas em preto e branco. Mas, lamentavelmente, tenho uma notícia chocante para você: isso não poderia estar mais longe da verdade!

Os cachorros veem sim cores, assim como nós, meros humanos. Agora, você deve estar se perguntando: “Como assim? Meu cachorro nunca esboçou uma reação ao meu lindo vestido vermelho”. Calma lá!

Os cachorros possuem uma percepção diferente das cores em comparação com a nossa. Enquanto enxergamos um espectro amplo de cores, eles enxergam um mundo mais sutil e limitado.

Cachorro com olho amarelo
Cachorro com olho amarelo

Os olhos dos cachorros são como uma versão mais “low resolution” dos nossos. Eles são sensíveis a tons de azul e amarelo, mas têm dificuldade em distinguir o vermelho e outras cores semelhantes.

Então, aquele vestido escarlate não passa de um borrão cinza para o seu amiguinho peludo. Que triste, não é? Mas antes de você ficar triste ou culpado por nunca ter comprado roupas coloridas para seu cão, saiba que isso não é um problema para eles!

Os cachorros têm outros sentidos superdesenvolvidos, como o olfato e a audição, que compensam com sobra essa limitação em enxergar as cores.

Então, da próxima vez que você estiver se arrumando para sair e decidir vestir seu cachorro com aquela roupinha vermelha deslumbrante, lembre-se de que ele não saberá apreciar essa explosão de cor, mas ficará feliz em estar ao seu lado, como sempre.

O importante é o amor e a companhia, não é mesmo? E assim terminamos a desmistificação do primeiro mito sobre cachorros. Prepare-se, pois muitos outros mitos serão derrubados ao longo deste texto. Continue lendo e expanda seu conhecimento sobre esses seres de quatro patas tão especiais.

Mito 2: Cachorros têm uma idade equivalente a sete anos humanos

Cachorros têm uma idade equivalente a sete anos humanos Você já deve ter ouvido falar que cada ano de vida de um cachorro é equivalente a sete anos humanos, certo? Pois bem, meus amigos, tenho uma notícia para vocês: isso não passa de um mito que tem sido perpetuado há muito tempo.

Mas não se preocupem, estou aqui para desvendar essa confusão. A ideia de que um ano de vida de um cachorro equivale a sete anos humanos pode até parecer lógica à primeira vista, afinal, nós humanos vivemos bem mais do que nossos amigos peludos.

Mas a verdade é que o envelhecimento de cães e humanos não acontece de forma tão linear assim. Vamos esclarecer essa história de uma vez por todas.

cachorro no cinema
cachorro no cinema

Os cães têm um processo de envelhecimento mais rápido nos primeiros anos de vida. Então, podemos dizer que um cachorro de um ano de idade seria equivalente, em termos de desenvolvimento físico e maturidade, a um humano de sete anos. Mas aqui vem a reviravolta: esse ritmo de envelhecimento diminui à medida que o cachorro vai ficando mais velho.

A partir dos dois anos de idade, a taxa de envelhecimento canino varia de acordo com a raça e o porte do animal. Cães de pequeno porte tendem a viver mais do que os de porte grande, e cada raça tem sua própria expectativa de vida. Então, não dá para simplesmente multiplicar a idade do cachorro por sete e achar que temos a idade humana correspondente.

Pode parecer um pouco confuso, mas a ciência é assim mesmo, cheia de surpresas. O importante é entender que a idade dos cães não pode ser medida da mesma forma que a nossa. Cada cachorro é único e tem seu próprio ritmo de envelhecimento.

Então, da próxima vez que alguém falar que seu cachorro é um adolescente de 14 anos, você já sabe que não precisa se preocupar. Afinal, a matemática canina é um pouco mais complexa do que imaginávamos. Agora que desmistificamos esse mito, vamos partir para o próximo! Estão preparados? Vamos continuar essa jornada de conhecimento e descobertas sobre nossos amados cachorros.

Mito 3: Cachorros estão sempre felizes

Cachorros estão sempre felizes Quem nunca olhou para um cachorro abanando o rabo e pensou: “Ah, eles são sempre tão felizes!”. Bom, a verdade é que essa afirmação é apenas mais um dos mitos sobre os nossos amigos peludos.

Embora muitas vezes associemos alegria com os abanar de rabo, é importante lembrar que os cães também têm seus momentos de tristeza, ansiedade e até mesmo tédio. Assim como os humanos, os cachorros têm suas próprias emoções e sentimentos. Eles podem sentir raiva quando são contrariados, medo quando estão em situações desconhecidas e até mesmo tristeza quando estão separados de seus donos.

cachorro na rua abandonada
cachorro na rua abandonada

Então, dizer que eles estão sempre felizes é uma generalização injusta. É claro que a maioria dos cães adoram brincar, receber carinho e passar tempo com seus donos. Mas isso não significa que eles estejam em um estado de felicidade constante. Eles também precisam de momentos de descanso, espaço para explorar e até mesmo momentos de solidão.

Outro ponto importante é que a expressão de felicidade dos cachorros pode variar dependendo da raça e do temperamento individual de cada animal. Alguns cães são naturalmente mais extrovertidos e demonstram alegria de forma mais efusiva, enquanto outros podem ser mais reservados e expressar felicidade de maneira mais discreta.

Portanto, é fundamental que como donos responsáveis, saibamos reconhecer os sinais de diferentes emoções nos nossos cãezinhos. Se eles estão agitados, inquietos ou demonstrando outros comportamentos fora do comum, pode ser um indicativo de que algo não está bem e que precisam de atenção e cuidado.

Então, da próxima vez que você encontrar seu cachorro com uma carinha não tão feliz, não se preocupe, ele está apenas expressando suas emoções de forma genuína. Afinal, ninguém é feliz o tempo todo, nem mesmo os nossos amados companheiros de quatro patas. E, sim, cães estão sujeitos a altos e baixos emocionais, assim como nós, humanos, estão.

Respeitar e compreender as emoções deles é um dos caminhos para estabelecer uma relação saudável com nossos amigos peludos. Afinal, quem precisa de um cachorro eternamente sorridente quando pode ter um companheiro genuíno e verdadeiro, com todas as suas emoções e nuances? Afinal, a vida está aí para ser vivida em todos os seus altos e baixos, inclusive pelos nossos amigos caninos.

cachorro comendo bolo
cachorro comendo bolo

Mito 4: Cachorros farejam apenas com o nariz

Cachorros farejam apenas com o nariz

Ah, o maravilhoso mundo olfativo dos cachorros! É fascinante como esses seres peludos conseguem detectar os mais sutis aromas e farejar as trilhas mais complexas. Mas você sabia que eles não usam apenas o nariz para essa tarefa impressionante?

Contrariando a crença popular, os cachorros não confiam apenas no olfato do nariz. Eles usam outras partes do corpo para captar cheiros e informações. Os pelos que cobrem seus corpos possuem glândulas odoríferas, que ajudam a intensificar o odor de uma substância específica. Ou seja, eles podem literalmente “sentir” com os pelos!

Além disso, os cachorros também farejam com suas orelhas. Isso mesmo, suas orelhas têm glândulas odoríferas também. Portanto, quando você vê aquele seu cachorro levantando as orelhas e franzindo a testa, provavelmente ele está tentando identificar algum cheiro interessante por perto.

Então, a próxima vez que você encontrar seu cachorro farejando fervorosamente algo, lembre-se de que ele está usando todas as ferramentas disponíveis para absorver os aromas do mundo. Nariz, pelos e até mesmo orelhas!

Porém, isso não significa que o nariz não seja uma parte importante no processo de farejar. Na verdade, o nariz dos cachorros é incrivelmente eficiente e possui aproximadamente 220 milhões de células olfativas, enquanto nós, humanos, temos apenas cerca de 5 milhões. Ou seja, eles possuem um verdadeiro superpoder quando se trata de detectar aromas.

cachorro sendo chamado
cachorro sendo chamado

É impressionante como os cachorros são projetados para interpretar o mundo ao seu redor. Sua incrível capacidade de farejar vai além do nariz, envolvendo todo o seu corpo. E isso é apenas uma das muitas razões pelas quais amamos esses animais especiais!

Então, da próxima vez que alguém disser que os cachorros farejam apenas com o nariz, você já sabe: eles também sentem cheiros com o corpo todo!

Mito 5: Cães são alérgicos a chocolates

Cães são alérgicos a chocolates Ah, o maravilhoso mundo do chocolate! Quem não ama essa deliciosa iguaria? Mas espera aí, e os nossos amigos de quatro patas? Será que eles também podem saborear essa maravilha? Infelizmente, não.

É um mito bastante difundido que os cães são alérgicos a chocolates, quando na verdade eles são altamente intolerantes a essa gostosura. O chocolate contém uma substância chamada teobromina, que é tóxica para os cães. Nos humanos, a teobromina é facilmente metabolizada e processada pelo nosso corpo. Mas nos cães, a história é bem diferente.

Eles metabolizam a teobromina muito mais lentamente, o que pode resultar em sérios problemas de saúde. Quando um cão ingere chocolate, a teobromina pode causar uma série de sintomas desagradáveis, como vômitos, diarreia, tremores, taquicardia e até mesmo convulsões. Além disso, a quantidade de teobromina presente em diferentes tipos de chocolate varia, sendo o chocolate amargo o mais perigoso para os nossos amigos peludos.

cachorro na praia de santos
cachorro na praia de santos

Então, se você ama o seu cachorro (e tenho certeza que sim), nunca ofereça chocolates a ele. Mesmo que aqueles olhinhos pidões pareçam implorar por uma mordidinha, lembre-se de que a saúde e o bem-estar do seu cão vêm em primeiro lugar.

Mas não se preocupe, existem outras formas de agradar o seu amigão de estimação. Que tal um petisco especialmente feito para cães? Existem diversas opções deliciosas e seguras no mercado, que vão deixar o seu peludo feliz e saudável.

Então, da próxima vez que você estiver saboreando um pedaço de chocolate, lembre-se de que essa gostosura não é para o seu cão. E se você tem o hábito de deixar chocolates pela casa, certifique-se de que eles estejam em um local seguro, longe do alcance dos peludos curiosos.

Palavras-chave: cães, chocolates, alergia, teobromina, intoxicação, segurança, intolerância, petiscos.

Mito 6: Cachorros não sentem frio

Aqui está mais um mito que precisa ser esclarecido sobre nossos amados cachorros: eles não sentem frio! Você já deve ter ouvido isso antes, e talvez até tenha deixado seu peludo sem casaco no inverno pensando que ele está sempre quentinho. Mas a verdade é um pouquinho diferente, e vou te contar por quê.

É verdade que muitas raças de cachorros têm uma camada de pelos protetora que ajuda a mantê-los aquecidos. No entanto, isso não significa que eles não sintam frio em ambientes gelados. Assim como nós, os cães também podem sentir desconforto ao serem expostos a baixas temperaturas por longos períodos.

Quando pensamos nisso, faz muito sentido. Mesmo com a pelagem, os cachorros não têm uma proteção absoluta contra o frio. Afinal, nem todos os tipos de pelagem são igualmente eficientes para manter o calor corporal, e algumas raças possuem pelos mais curtos ou menos densos.

cachorro comendo bolo
cachorro comendo bolo

Além disso, assim como os seres humanos, cada cachorro possui uma tolerância diferente ao frio. Se você tem um cachorro pequeno, como um Chihuahua, é provável que ele sinta mais frio do que um Golden Retriever, por exemplo. E se o seu peludo já é mais idoso, suas articulações também podem ficar mais sensíveis ao frio.

Então, o que devemos fazer? Bom, eliminar totalmente o mito de que os cachorros não sentem frio é o primeiro passo. É importante observar o comportamento do seu cão ao sair em dias frios e fornecer a proteção necessária. Isso pode incluir roupas adequadas, como casacos e botinhas, e evitar longos períodos de exposição ao frio.

Lembre-se de que seu cachorro confia em você para mantê-lo seguro e confortável. Portanto, é essencial prestar atenção aos sinais que ele pode dar, como tremores, busca de abrigo ou levantamento de patas. E, é claro, não esqueça do cobertor quentinho e do cantinho aconchegante no momento de dormir.

Então, agora você sabe: os cachorros também podem sentir frio. Não caia nesse mito e proteja seu peludo nos dias mais gelados. Afinal, o bem-estar dos nossos melhores amigos deve sempre estar em primeiro lugar, não é mesmo?

Mito 7: É normal se um cachorro latir muito

É normal se um cachorro latir muito Ah, os latidos dos cachorros… Música para os ouvidos de alguns, pesadelo para outros. Mas será mesmo que é normal um cachorro latir sem parar? Vamos desvendar esse mito!

É verdade que os cachorros se comunicam através dos latidos. Eles podem latir para chamar atenção, demonstrar alegria, alertar sobre perigos ou simplesmente expressar sua insatisfação. No entanto, isso não significa que um cachorro deva ficar latindo a todo momento.

cachorro filhote magro
cachorro filhote magro

Muitos fatores podem contribuir para um cachorro latir em excesso. Pode ser tédio, solidão, ansiedade de separação, medo, territorialismo ou até mesmo uma resposta a estímulos externos, como outros animais ou barulhos. Então, é importante investigar a causa dos latidos excessivos antes de considerá-los normais.

Se o seu amigo peludo está latindo demais, aqui vão algumas dicas para ajudá-lo a controlar esse comportamento:

  1. Identifique a causa: observe em quais situações específicas seu cachorro costuma latir mais. Assim, será mais fácil encontrar uma solução adequada.
  2. Treinamento: ensine comandos de silêncio para que seu cachorro entenda quando é hora de parar de latir. Reforce esses comandos com recompensas positivas, como petiscos ou carinho.
  3. Exercícios e estimulação: muitas vezes, latidos em excesso são resultado de um animal entediado. Garanta que seu cachorro tenha atividades suficientes ao longo do dia, como passeios, brincadeiras e interação com outros cães.
  4. Ambiente seguro: verifique se o ambiente em que seu cachorro vive oferece conforto e segurança. Um espaço adequado e enriquecido pode reduzir o estresse e, consequentemente, os latidos excessivos.
  5. Ajuda profissional: se todos os esforços parecerem não surtir efeito, não hesite em buscar a orientação de um adestrador ou veterinário comportamental. Eles poderão ajudar a identificar possíveis problemas e a desenvolver um plano de ação personalizado.

Então, da próxima vez que você ouvir um cachorro latindo sem parar, lembre-se de que isso pode não ser tão normal quanto se pensa. Identifique a causa dos latidos excessivos e trabalhe com seu peludo para encontrar soluções. Afinal, o silêncio também pode ser uma música muito agradável de se ouvir!

Dessa forma, ficamos com mais um mito desvendado na nossa jornada pelos cachorros. Continue acompanhando para aprender muito mais e se tornar um especialista no assunto!

pessoa adestrando cachorro
pessoa adestrando cachorro

Mito 8: Cães são agressivos por natureza

Ah, o mito de que cães são naturalmente agressivos! Será que realmente acreditar nisso é uma boa ideia? Bem, não se preocupe, porque vamos desmascarar esse mito de uma forma bem humorada e informativa.

Primeiro, é importante lembrar que a agressividade pode ser influenciada por diversos fatores, como a genética, histórico de socialização e treinamento adequado. Assim como nós humanos, cães possuem personalidades únicas e podem reagir de maneiras diferentes diante de diferentes situações.

Então, acreditar que todo cachorro é uma fera pronta para atacar é um tanto exagerado, concorda? Aliás, muitas vezes a agressividade em cães é resultado de falhas humanas, como falta de treinamento, socialização incorreta ou até mesmo negligência.

É verdade que algumas raças são estigmatizadas por serem consideradas mais agressivas, mas isso não significa que todos os cães dessa raça serão “monstrinhos” incontroláveis. O segredo está no manejo correto desses animais, oferecendo treinamento adequado desde filhotes, socialização com outros cães e pessoas, além de muito amor e carinho.

Outro ponto importante é entender que a agressividade pode ser uma forma de comunicação para o cão. Por exemplo, um cão que recebe estímulos negativos constantes pode reagir de forma agressiva como uma forma de se defender ou demonstrar desconforto.

Portanto, cabe aos tutores identificar os sinais de estresse e ansiedade nos cães e agir de acordo para prevenir situações agressivas. No final das contas, a agressividade em cães não é algo inerente à sua natureza. É resultado de diversos fatores e pode ser controlada e prevenida com educação, treinamento adequado e o carinho que todos os cães merecem.

Cachorro pulando nas pessoas
Cachorro pulando nas pessoas

Então, da próxima vez que alguém tentar convencer você de que todos os cães são agressivos por natureza, dê um sorriso e compartilhe seu conhecimento sobre o assunto. Porque não há nada melhor do que desmistificar essas ideias absurdas e ajudar a criar um mundo mais informado e empático com nossos amigos de quatro patas.

Mito 9: É impossível treinar cães mais velhos

É impossível treinar cães mais velhos Ah, finalmente chegamos ao mito número nove. Prepare-se para se surpreender! Contrariando a crença popular, não é impossível treinar cães mais velhos. Na verdade, eles possuem incríveis capacidades de aprendizado, assim como os mais jovens.

Então, não acredite nessa bobagem de que “você não pode ensinar um cachorro velho novos truques”! Os cães mais velhos podem, sim, aprender coisas novas e mudar seu comportamento. Claro, pode levar um pouco mais de tempo e paciência, assim como acontece com os humanos. Afinal, quem disse que aprender algo novo é fácil, não é mesmo?

É importante lembrar que cada cão é único, e a velocidade de aprendizado pode variar de acordo com a personalidade e experiências individuais. Alguns cães mais velhos podem ter desenvolvido maus hábitos ao longo dos anos, mas isso não significa que sejam incapazes de mudar.

Com o treinamento adequado e consistente, é possível corrigir comportamentos indesejados e ensinar novos truques até mesmo para aquele velhinho teimoso que você tem em casa. A chave para o sucesso no treinamento de cães mais velhos é a paciência.

Cachorro pulando nas pessoas
Cachorro pulando nas pessoas

Eles podem precisar de mais tempo para assimilar os comandos e regras, mas com persistência e carinho, você verá resultados surpreendentes. Lembre-se de recompensar o seu cão com elogios e petiscos sempre que ele demonstrar um bom comportamento, isso ajudará a fortalecer o vínculo entre vocês e incentivará o aprendizado.

Então, da próxima vez que alguém disser que é impossível treinar cães mais velhos, mostre a eles que estão completamente enganados. Com dedicação e paciência, seu amigo de quatro patas pode aprender coisas incríveis, independentemente da idade. Não subestime a capacidade dos cães mais velhos de se adaptarem e aprenderem coisas novas. Sua mente canina é mais brilhante do que você imagina!

Leitura recomendada: – 6 Táticas inteligentes para treinar cães mais velhos – Os melhores truques para ensinar ao seu cãozinho idoso

Conclusão

Então, chegamos ao fim do nosso divertido passeio pelos mitos sobre cachorros. Agora, vamos recapitular brevemente o que aprendemos:

  1. Cachorros não enxergam apenas em preto e branco, eles conseguem perceber cores, mas de forma limitada. Então, não precisa se preocupar em decorar apenas a paleta de cinza para brincar com seu amigão.
  2. A idade dos cães não deve ser multiplicada por sete para equivaler à idade humana. Cada cachorro tem uma expectativa de vida diferente, dependendo da raça, tamanho e estilo de vida.
  3. Assim como nós, os cachorros também têm dias bons e ruins. Então, não se surpreenda se o seu amigão estiver um pouco chateado em alguns momentos. Eles também têm emoções e sentimentos.
  4. Cachorros têm um poderoso olfato que vai além do nariz. Eles também são capazes de farejar através das glândulas lacrimais e da boca. Ou seja, são verdadeiros especialistas em descobrir cheiros.
  5. Embora seja verdade que chocolate é uma delícia para nós, para os cães pode ser um verdadeiro veneno. Isso ocorre porque o cacau contém uma substância chamada teobromina, que é tóxica para eles.
  6. Os cães também sentem frio, principalmente aqueles com pelos curtos. Então, é importante protegê-los nos dias mais gelados. Afinal, eles também merecem conforto.
  7. Latir em excesso pode ser um sinal de que algo está errado com o seu cachorro. É importante entender e investigar as possíveis causas para ajudar a solucionar o problema.
  8. Assim como nós, os cães não são naturalmente agressivos. O comportamento agressivo pode ser resultado de maus-tratos, falta de socialização ou medo. Portanto, é importante oferecer um ambiente seguro e amoroso para eles.
  9. Cachorros mais velhos também podem ser treinados, embora isso possa exigir um pouco mais de paciência e dedicação. Nunca é tarde para aprender coisas novas!

E assim concluímos nossa jornada desmistificando nove mitos sobre cachorros. Espero que tenha sido uma experiência divertida e esclarecedora para você. Agora você está pronto para compartilhar seu conhecimento com outros amantes de cães. Se divirta com seu amigão e lembre-se sempre de amá-los, respeitá-los e cuidar bem deles. Au-au!

By Prof.ª Dr.ª Kelly Cristine de Sousa Pontes

Pós-doutora em Medicina, na área de Oftalmologia e Oncologia, pela Leiden University – Holanda e Doutora em Cirúrgicas e Anestésicas Aplicadas aos Animais, pela Universidade Federal de Viçosa

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *